Erasmo Dibell lança ‘Sarará’ nas plataformas digitais

Erasmo Dibell (Foto: Socorro Marques)

Primeiro volume do álbum tem participação da cantora moçambicana Lenna Bahule, de Zeca Baleiro e dueto póstumo com Papete

Desde esta última sexta, 25 de novembro, já está nas plataformas digitais o primeiro volume do álbum “Sarará”, que Erasmo Dibell lança em duas partes pela Saravá Discos. Erasmo Dibell é um dos artistas mais populares e um dos grandes compositores maranhenses surgidos a partir da primeira metade dos anos 90. “Sarará” traz uma amostra de seu trabalho, com novas leituras de sua obra e inéditas, algumas já lançadas em single.

Parceiros e amigos de longa data, Zeca Baleiro e Erasmo Dibell se reencontraram em maio de 2019, por ocasião da gravação do documentário musical “Maranhão – Ventos que Sopram”, de Neto Borges. Do reencontro nasceu uma nova canção, “São Nunca”, que faz parte deste primeiro volume, e a parceria para o lançamento do álbum “Sarará” pelo selo de Baleiro, Saravá Discos.

“Sarará Vol.1” traz releitura de Dibell para um de seus maiores sucessos, o reggae “Filhos da Precisão”, e para “Sarará”, que abre o disco e vem seguida por “Intriga”, que tem a participação da moçambicana Lenna Bahule nos vocais e foi produzida e arranjada por Erasmo Dibell e Zeca Baleiro. Entre os destaques, o Vol.1 ainda inclui “São Nunca” em parceria e dueto com Zeca Baleiro, e “Navegante”, dueto póstumo com Papete, um dos grandes nomes da música maranhense, falecido em 2016.

“Sarará” traz várias releituras da obra de Erasmo, arranjadas e produzidas por Moisés Mota, Marcelo Rebelo e o próprio, mais duas canções inéditas produzidas por Zeca e Adriano Magoo: “São Nunca” e “Juntinhos”. O Volume dois contará com as participações de Fagner e Rita Benneditto. A arte do projeto é um dos últimos trabalhos com assinatura do artista plástico Elifas Andreato, o mago das capas de disco no Brasil, falecido em março de 2022.

Sobre Erasmo Dibell

Natural de Carolina/MA, o violonista, intérprete e compositor já foi gravado por vários artistas, entre eles Alcione, Gilmelândia, Maurício Mattar, Patrícia Costa, Rita Benneditto e Papete, que produziu seu primeiro disco solo, em 1993.

A diversidade de ritmos, o lirismo de sua poesia, o seu peculiar suingue ao violão, além do carisma pessoal e performance são os diferenciais que credenciam Erasmo Dibell a buscar espaço e reconhecimento na multifacetada música que se produz nos dias de hoje.

Sarará Vol.1

1. Sarará 

(erasmo dibell)

2. Intriga feat Lenna bahule

(erasmo dibell)

3. Primícias 

(erasmo dibell)

4. Longe d’ocê 

(erasmo dibell e zé américo bastos)

5. São Nunca feat Zeca Baleiro 

(erasmo dibell e zeca baleiro)

6. Filhos da Precisão 

(erasmo dibell)

7. Querer Bem 

(erasmo dibell) 

8. Navegante feat Papete

(erasmo dibell)

9. Mãezinha 

(erasmo dibell)

Fonte: Cultura e Negócios (Clique aqui para acessar o site)


Volume 2 com Fagner e Rita Benneditto

A previsão da Saravá Discos e do próprio Dibell é de que o volume 2 de 'Sarará' possa estar disponível nas plataformas digitais já a partir de janeiro de 2023. 

"Sim, a previsão é de que o segundo volume saia logo no começo do ano, tipo janeiro, ainda não temos é dia definido. Mas é certo que sai logo na sequência pra gente fechar esse ciclo e a gente partir já pra gravar coisas novas pra mostrar", adianta. 

Lançado originalmente em 2015 - "sem colaborações, só comigo cantando", frisa Dibell - 'Sarará" é bastante conhecido dos maranhenses, "mas ainda inédito para o público do restante do Brasil" e marca uma nova etapa em sua carreira com a estreia nas plataformas digitais.

Dibell é uma grande fã de Fagner. Os dois se conheceram "virtualmente" no auge da pandemia de covid-19, apresentados por Zeca Baleiro. Daí nasceu a ideia de regravarem 'Reclame', de autoria do maranhense, lançada na internet como single, que deve ser incluída no segundo volume. A parceria dos três rendeu ainda duas inéditas: 'Besta Fera' e 'E ela não me deixou'.

Em recente reportagem produzida e distribuída pela Agência Estado - reproduzida entre outros veículos de comunicação pelo Correio Braziliense -, Fagner falou sobre o projeto de gravar um novo disco com músicas feitas com o amigo Belchior e lembrou de outro projeto, inédito, citando seu trabalho com Dibell: "Eu tenho, praticamente, um disco inédito pronto. São músicas em parcerias com Fausto Nilo, Caio Silva, alguma com Renato Teixeira, certamente. E tem Erasmo Dibell, que me foi apresentado pelo Baleiro, é um maranhense fantástico". 

Revigorado pelo projeto e vivendo uma fase de intensa criação, Dibell confirma que um novo trabalho com músicas inéditas pode ser lançado no segundo semestre de 2023. (Carlos Gaby)   


LP com capa de Elifas Andreato

A arte do projeto 'Sarará vol. 1' é um dos últimos trabalhos com assinatura do artista plástico Elifas Andreato, um gênio do designer gráfico, autor de capas icônicas de lp's de consagrados intérpretes da MPB, vencedor do Prêmio Especial Wladimir Herzog (o mais importante do jornalismo brasileiro), falecido no dia 29 de março deste ano, em São Paulo, aos 76 anos.

Dibell pretende utilizar a criação do grande artista na capa de um LP, provavelmente com os dois volumes do projeto. Ele revela que a ideia está no projeto contemplado pelo edital público que tramita na Secretaria de Cultura do Maranhão. 

"Perdemos, infelizmente, o Elifas Andreato, e esse é um dos últimos trabalhos dele. Quero prestar essa homenagem, com a prensagem do projeto em LP. Como são capas luxuosas e o Elias Andreato     

tem uma importância muito grande na história da música popular brasileira, é a oportunidade pra gente também registrar em LP, que não se faz mais tão comumente e era o meio tradicional do registro fonográfico, mas que ainda tem admiradores e é um nicho de mercado, especialmente para os fãs e colecionadores", explica Dibell.

Elifas tinha mais de 40 anos de carreira e ficou conhecido principalmente pelas 362 capas de discos que produziu, principalmente nos anos 70, de artistas como Chico Buarque de Holanda, Elis Regina, Adoniran Barbosa, Paulinho da Viola, Martinho da Vila, Toquinho e Vinícius de Moraes. (CG)  

 


 

Aumento de pena para aliciamento de menores por meio da internet

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que altera o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para aumentar em 1/3 a pena imposta a quem praticar o crime de aliciamento de crianças e adolescentes por meio de aplicativos de comunicação via internet. Com a mudança, a pena de reclusão passará a ser de 4 anos a 8 anos e multa.

A relatora, deputada Dulce Miranda (MDB-TO), apresentou um substitutivo ao Projeto de Lei 2857/19, da deputada Shéridan (PSDB-RR). O projeto original previa o aumento de pena apenas para crimes praticados contra crianças.

“Impõe-se a modificação do tipo penal para que sejam abrangidas também as hipóteses em que a vítima seja adolescente, posto que ambos são merecedores de proteção especial”, explicou.

A autora do projeto argumenta que, ao proporcionarem uma nova forma de interação entre pessoas, os meios digitais vêm também sendo usados para a prática de crimes.

Tramitação

O projeto será ainda analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, seguirá para análise do Plenário.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Márcio Jerry nomeado para a equipe de transição de Lula


 O deputado federal reeleito Márcio Jerry (PCdoB) vai integrar a equipe de transição do presidente eleito Luis Inácio Lula da Silva na área de Cidades. Seu nome foi anunciado nesta terça (22) pelo coordenador da equipe, vice-presidente eleito Geraldo Alckmin. 

“A partir de hoje integro oficialmente a equipe de transição do presidente Lula na comissão de cidades. Anúncio feito pelo vice-presidente eleito Geraldo Alckmin. Ao trabalho, o Brasil tem pressa! Agrato ao presidente Lula e ao PCdoB”, informou 0 parlamentar em sua rede social.

Jerry comandou as secretarias de Comunicação e Articulação Política e de Cidades do governo do Maranhão. "É um reconhecimento ao meu trabalho na área (Cidades) com secretário no governo @flaviodino. Espero contribuir muito!", reforçou em outro post no Instagram.  

Na equipe que está sendo a transição, outros dois parlamentares estão nomeados: os senadores Flávio Dino (Justiça e Segurança Pública) e Eliziane Gama. 

CARNAVAL 2023: Governo do MA lança edital de credenciamento

Começa nesta terça-feira (22) a abertura do credenciamento cultural para grupos e artistas interessados em compor a programação do pré-carnaval, carnaval do Maranhão e demais eventos realizados e apoiados pela Secretaria de Estado da Cultura no exercício de 2023.

As inscrições dos interessados em participar desse Edital se darão de maneira presencial na Sede da Secma, situada na Avenida  dos Holandeses, nº 1803, São Marcos, São Luís – MA, no período de 22 de novembro a 1º de dezembro de 2022, das 8h às 12h e das 13h às 19h, na Sala de Atendimento da Unidade Gestora de Ação e Difusão Cultural (UGADC).

Para os proponentes não residentes ou domiciliados na Região Metropolitana de São Luís serão aceitas inscrições enviadas via Correios, com AR – Aviso de Recebimento, postadas até o último dia de inscrição da categoria a qual faz parte, para o endereço indicado acima. 

Podem se credenciar pessoas jurídica ou física, sendo que a pessoa física deve ter mais de 18 anos e ser maranhense ou radicada neste estado. As inscrições estão abertas para:  alegoria de rua, banda/show, bloco alternativo de rua, bloco alternativo de trio, bloco organizado, blocos tradicionais, escolas de samba, grupos afro, grupo de samba e pagode, grupo teatral carnavalesco, tambor de crioula, tribo de índio.

De acordo com o edital, “os artistas credenciados para compor a programação cultural deverão estar disponíveis para promover suas apresentações nas datas e horários propostos pela Secma. O credenciamento de artistas/grupos/atrações por meio deste Edital, não gera direito adquirido à contratação. Sendo assim, após habilitado o proponente passa a estar disponível à contratação, que ocorrerá à critério e conforme necessidade da Secma”, informa o Edital. 

Os cachês das atrações variam entre R$ 2.500,00 e R$ 10.000,00. 

O edital completo, com todos os detalhes, assim como ficha de inscrição e formulários anexos, está disponível na aba “Editais Secma”, no site cultura.ma.gov.br 

Cronograma de Inscrições

Banda/Show - 22/11 a 23/11/2022

Alegoria de Rua, Bloco Alternativo de Rua, Bloco Alternativo de Trio, Bloco Organizado - 24/11 a 25/11/2022

Bloco Tradicional do Grupo A, Bloco Tradicional do Grupo B, Escola de Samba - 28/11 a 29/11/2022

Grupo Afro, Grupo de Samba, Grupo Teatral Carnavalesco, Tambor de Crioula, Tribo de Índio -  30/11/2022 a 01/12/2022

Grilagem de terras e danos socioambientais em Matopiba


A região é formada por áreas majoritariamente de cerrado nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

A Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados realiza audiência pública nesta terça-feira (22)  sobre o tema no projeto Matopiba, para onde a agricultura se expandiu a partir da segunda metade dos anos 1980.

O debate será realizado às 15h30, no plenário 3,  e será transmitido pelo canal da Câmara no YouTube. Os interessados poderão participar pelo chat.

A deputada Luiza Erundina (Psol-SP), que pediu a audiência, disse que, além dos impactos socioeconômicos e ecológicos do Projeto Matopiba, será debatida também a inconstitucionalidade de legislações estaduais que facilitam a grilagem de terras na região.


Fonte: Agência Câmara de Notícias


O povo negro e o futuro governo Lula

(*) Por Benedita da Silva

Hoje, os negros de nosso país celebrarão o Dia da Consciência Negra, homenagem à luta de Zumbi dos Palmares contra a escravidão. Desta vez, depois de sete anos, podemos ter esperança real na retomada das políticas contra o racismo e de promoção da igualdade racial.

A última vez em que celebramos essa data num governo que, de fato, combatia o racismo foi em 2015, com a presidente Dilma. A partir do golpe de Estado parlamentar de 2016, todas as nossas conquistas sofreram retrocessos, sobretudo durante o governo assumidamente racista de Bolsonaro.

Nos governos do PT, de Lula e Dilma, os negros obtiveram grandes conquistas, entre as quais destaco as mais emblemáticas, como a política de cotas nas universidades públicas, a criação da Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) e o Estatuto da Igualdade Racial.

Além disso, todas as políticas de inclusão, como a valorização real do salário mínimo, o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida beneficiavam diretamente a maioria preta e parda da população brasileira. Mais do que o respeito e a garantia dos direitos constitucionais de cidadania da população pobre e preta das favelas e periferias, foi o compromisso dos governos do PT um dos principais motivos do impeachment de Dilma Rousseff.

Constituindo-se num dos fatores decisivos para a épica eleição de Lula, o voto dos negros, ao lado do voto das mulheres, da juventude e do Nordeste, representa a inegável força da consciência negra e dá todo o sentido às celebrações otimistas do Dia 20 de Novembro.

Na eleição mais espúria de nossa história, a esmagadora maioria do povo negro não se deixou enganar e votou consciente contra quem era seu verdadeiro inimigo e a favor daquele que poderia reabrir seus caminhos para avançarmos novamente na nossa luta contra o racismo e a exclusão social – as duas faces da moeda que configuram a dívida social e racial do Brasil.

A chamada Abolição apenas trocou a escravidão pela discriminação racial e a exclusão social. Ao racismo estrutural, se somaram o racismo institucional e o preconceito racial realimentado na educação familiar e nas escolas para se revelar com a força brutal da discriminação e da violência que mata a população negra, sobretudo seus jovens.

Segundo os últimos dados do Atlas da Violência e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 77% das vítimas de homicídio no Brasil são negras. Entre 2017 e 2018, 61% das mulheres vítimas de feminicídio eram negras. E a taxa de negros e negras desempregadas era de 16%, acima da média nacional de 12%. Estudo do IBGE mostra que em 2021 o rendimento médio dos brancos (R$ 3.099) era 75,7% maior do que o registrado entre os pretos (R$ 1.764)

Depois de a fome ser praticamente extinta pelos governos do PT, a necropolítica de Bolsonaro fez o Brasil voltar ao Mapa da Fome, com 33 milhões de pessoas sem ter o que comer e mais de 105 milhões vivendo em insegurança alimentar.

Os desafios do povo negro consciente são imensos, e sua permanente mobilização será fundamental para fazer um presidente assumidamente antirracista, como é Lula, conseguir retomar nossas conquistas e avançar ainda mais nas políticas públicas de promoção da igualdade racial.

As mais disputadas eleições de nossa história mostraram que os negros avançam à medida que avança a sua consciência racial, como foi o caso do voto maciço dos afrodescendentes em Lula. Esse talvez seja o principal significado do Dia 20 de Novembro, o Dia da Consciência Negra.

(Foto: Gustavo Bezerra)
 (*) Deputada federal pelo PT-RJ, ex-governadora do Rio de Janeiro e primeira senadora negra do Brasil

** Artigo publicado originalmente no Globo online.

A PEC dos mais pobres

Foto de arquivo (internet)

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Bolsa Família, que prevê auxílio fora das regras fiscais, é a PEC do mais pobres. Apresentada semana passada pelo coordenador do gabinete de transição, vice-presidente eleito Geraldo Alckmin, começará a tramitar no Senado.

Além dos R$ 600 como valor base do Bolsa Família, a PEC contempla mais R$ 160 de valor extra a pais beneficiários do programa com filhos de até 6 anos de idade.  

É uma esperança para garantir um auxílio digno aos mais pobres do Brasil, país cujos líderes ortodoxos e conservadores se pavoneiam em celebrar sua economia listada nas mais avançadas do mundo e sua produção de alimentos um alento para a alimentação mundial, mas é o país real de milhões de famintos, desempregados, pedintes, excluídos, jovens e idosos, que viram nos últimos anos direitos trabalhistas e conquistas sociais serem arrasados ou simplesmente soterrados pelo governo atual de extrema-direita. 

Com essa retirada do valor total a ser investido no Bolsa Família, haverá uma liberação de verbas no orçamento de 2023 que redistribuição em outras ações, como o aumento real do salário mínimo, algo que sumiu na 'gestão' do capitão golpista.

Outras áreas também podem ser beneficiadas: Farmácia Popular, que foi cortado em 59%: passou de R$ 2,04 bilhões em 2022 para uma previsão de R$ 842 milhões no ano que vem.

Há ainda casos como o do Minha Casa Minha Vida, completamente abandonado pela atual gestão. Até 2018, segundo a Caixa Econômica Federal, 14,7 milhões de pessoas compraram um imóvel pelo programa. Atualmente, o valor é tão baixo que deve congelar as obras de 140 mil unidades de moradia popular – a previsão orçamentária de 2023 para a construção de casas pelo governo é de apenas R$ 34,2 milhões.

E ainda a retomada de investimentos na construção e reforma de rodovias - neste ponto, a defasagem nas obras nas vias do país é visível nos valores previstos para o ano que vem no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT): apenas R$ 6,7 bilhões. De acordo com o relator-geral do orçamento de 2023, senador Marcelo Castro, o valor é insuficiente até a para a manutenção da nossa malha viária.

Como se vê, nada de monstruoso como querem alardear os perdedores e seus apoiadores na mídia conservadora.

 

Erasmo Dibell lança ‘Sarará’ nas plataformas digitais

Erasmo Dibell (Foto: Socorro Marques) Primeiro volume do álbum tem participação da cantora moçambicana Lenna Bahule, de Zeca Baleiro e dueto...