Futura titular da Cultura fala do conjunto de ações previstas para a secretaria



Escolhida por Flávio Dino para comandar a Secretaria de Cultura, Ester Marques assume a pasta a partir de 1º de janeiro com o desafio de garantir a valorização, o reconhecimento, a promoção e a preservação da diversidade cultural do Estado. Em entrevista na noite desta quinta-feira (04), a futura titular da pasta explicou as principais medidas a serem implantadas no setor.

“Vamos fazer um trabalho estruturante na cultura”, afirmou Ester Marques ao falar sobre como será sua atuação enquanto secretária. Para ela, é imprescindível uma política cultural que garanta autonomia aos grupos e entidades culturais. “Esse é o papel do Estado: salvaguardar as manifestações culturais, mas, sem interferências”, explicou.

De acordo com a futura titular da pasta, a orientação do governador eleito Flávio Dino é no sentido de construir uma gestão democrática, com diálogo aberto com os grupos e entidades culturais, costurando uma estrutura de valorização permanente da tradição cultural do Maranhão e garantindo que as manifestações culturais estejam em consonância com as pautas sociais.

“O governador eleito orientou a secretaria a fazer itinerância, de modo a valorizar os atores sociais e ampliar o acesso à cultura”, relatou. E, continuou, “o papel do Estado é promover políticas específicas de proteção, expressão e apoio, e é o que faremos”.

Para cumprir o Programa de Governo apresentado por Flávio Dino, Ester acredita ser fundamental reestruturar os Ponto de Cultura do Estado, mas também qualificar os atores culturais num centro de formação permanente e resgatar a tradição erudita do Maranhão.

Ester garantiu ainda que o conjunto de ações que estão previstas para a secretaria vai além do apoio à produção cultural e envolve também a valorização, por exemplo, dos mestres da cultura popular e dos tradicionais centros e grupos que se concentram em São Luís, mas, sobretudo, no interior do Estado.

“Existe um Bumba-Boi lindo em Viana rico em estética, em musicalidade, em tradição e que quase ninguém conhece porque ele só está lá. Além disso, algumas cidades da Baixada Maranhense estão resgatando manifestações culturais que já estavam esquecidas. E é isso que nós queremos valorizar. Queremos que esses grupos saiam da invisibilidade”, concluiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

EXCLUSIVO Márlon Reis diz que Senado é “opção possível”

Márlon Reis, ex-juiz, um dos criadores da Lei da Ficha Limpa (Foto: Carlos Gaby) Em entrevista exclusiva ao blogue, o advogado e ex...