quinta-feira, 30 de junho de 2011

Davi Jr. acha prematuro projetar eleição de 2012

Prática comum agora, o deputado federal Davi Alves Silva Júnior arremata em cima da bucha qualquer informação sobre ele na imprensa de Imperatriz. Na noite de quarta (29) distribuiu nota em que contesta informação publicada no blog do Magno Siqueira sobre indicação de apadrinhados seus a cargos na Prefeitura de Imperatriz e esclarece sobre sua posição de seu partido, o PR, quanto às eleições de 2012.

Na nota, Davizinho diz que “Desde o dia 01 de janeiro de 2009, quando iniciou a Gestão do Prefeito Sebastião Madeira, a frente da cidade de Imperatriz, não indiquei ninguém para trabalhar na Prefeitura, mesmo tendo o entendimento de que possuímos nos quadros do Partido da Republica no Estado do Maranhão, pessoas capacitadas para exercer qualquer função pública, seja ela de primeiro ou segundo escalão”.

“Quanto às eleições de 2012, acredito serem prematuras as discussões em curso. Visto que isso acaba prejudicando diretamente a população, pois encurta a gestão do atual Prefeito, impossibilitando, assim, o mesmo de cumprir seus compromissos estabelecidos à época da campanha”, observa o deputado em outro trecho do comunicado distribuído por sua assessoria.

Davizinho diz também que o PR vai decidir no momento certo se lança ou não candidato próprio à Prefeitura de Imperatriz: “... afirmo que no tempo correto o Partido da Republica irá deliberar sobre a possibilidade de candidatura em todas as cidades do Estado do Maranhão, atendendo assim, orientação da Executiva Nacional que determinou o lançamento de candidaturas no maior número possível de cidades”.

O deputado afirma ainda que seu relacionamento com o prefeito Madeira é apenas institucional: “Quanto ao acordo firmado atualmente com o Chefe do Executivo Municipal, o mesmo visa atender apenas as necessidades e anseios da população de Imperatriz”.


quarta-feira, 29 de junho de 2011

Capilé detona Pastor Porto

Membro da Juventude do PPS e veterano do partido, apesar da pouca idade, Paulo Roberto Oliveira Sá, o Capilé, soltou as cachorros pra cima do Pastor Porto. Indignado com o estrelismo do ex-vice-governador no horário gratuito do partido na TV, Capilé diz que Porto “tem uma grande dívida moral” com o PPS.

Lei abaixo íntegra da Nota de Repúdio divulgada pelo Capilé:

NOTA DE REPÚDIO 

Em meus quatro anos de partido, tenho contribuído humilde e lealmente em todos os embates propostos, e que de alguma forma a conjuntura política tem imposto. Representei o PPS em Congressos da UNE, em eleições municipais, em eleições estaduais e nacionais, sempre abdicando de interesses particulares para defender e lutar pelos interesses partidários e da coletividade de minha cidade e Estado. 

Pelo exposto, me sinto embasado para levantar o debate sobre o assunto que motivou essa carta.

Nas últimas semanas, eu e outros membros da JPS (Juventude PPS), como também de outros companheiros do partido nos vimos surpresos quando da exibição do programa eleitoral “estrelado” pelo Pastor Porto, pessoa indiscutivelmente idônea, e cidadão cumpridor de seus deveres, mas, que infelizmente junto ao partido e seus membros, tem uma grande dívida moral, tendo em vista, que esse em um curto período de tempo nos abandonou sem qualquer justificativa, voltando ao partido quando bem entendeu, o que em minha opinião, como também de outros membros, tratou-se de um desrespeito, que não o impediria de retornar, mas o compromete para nos representar na TV e publicamente, tendo em vista, que a própria população já não sabe qual é a posição desse senhor, tornando-o  uma incógnita e conseqüentemente também  o partido, pois ele na TV foi a cara do partido.

Através dessa nota, quero deixar claro meu repúdio como também de toda a Juventude em relação a essa postura do Pastor Porto, como também da Direção que sem nenhuma consulta prévia, o autorizou para falar a população em nome de todo o partido, incluindo ai a juventude, que não se sentiu representada e que espera ser convencida das reais intenções do Pastor Porto em relação ao partido como também a nossa cidade.

Por ser verdade assino abaixo essa carta.

Paulo Roberto Oliveira Sá (Capilé)

terça-feira, 28 de junho de 2011

Denúncia de troca de emendas com agiotas abala Legislativo maranhense

Arnaldo Melo, presidente da AL/MA
O deputado Raimundo Cutrim (DEM) defendeu, na sessão desta terça-feira (8/06), maior publicidade em torno da destinação dos recursos das emendas parlamentares e solicitou que a Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa dê parecer favorável ao projeto de resolução de autoria dele, que determina a divulgação das emendas no site da AL. Raimundo Cutrim fez a defesa por conta da divulgação, nos blogs dos jornalistas Décio Sá e Cláudio Humberto, de denúncia apontando que parlamentares estariam trocando com deságio de 20 a 50 por cento os valores das emendas junto a agiotas.
O deputado do DEM disse que a notícia macula a imagem do Legislativo Maranhense e condenou apenas que o suposto parlamentar que forneceu as informações aos jornalistas não tenha se identificado. Raimundo Cutrim lembrou que ele próprio fez denúncia semelhante, há alguns meses, da tribuna, mas assumiu a autoria.

Diante da acusação, o parlamentar assegurou que a Assembleia precisa aprovar com urgência o projeto de resolução que determinação a divulgação dos destinos dados aos recursos de emendas parlamentares, e lembrou que cada um teve direito a R$ 2,5milhões.

Raimundo Cutrim informou que quando forem liberados os recursos da emenda dele vai colocar na internet a relação de prefeituras que receberam verbas e os projetos aos quais foram destinados. O parlamentar do DEM pediu também que a Comissão de Obras da Assembleia apure a denúncia de que os prefeitos simulariam a destinação do dinheiro de emenda para estradas vicinais, cuja dificuldade de averiguação de que a obra foi realmente realizada é maior.

APOIO

O deputado Bira do Pindaré (PT) manifestou apoio à reivindicação feita por Raimundo Cutrim e defendeu que os recursos de emendas sejam distribuídos pelo Governo do Estado, sem discriminação partidária. Pindaré garantiu que o Governo Federal já faz isso, sem se preocupar com a cloração política do autor da emenda.

POSIÇÃO

O deputado Marcelo Tavares (PSB) afirmou que a Assembleia Legislativa precisa tomar uma posição em relação a denúncias feitas na imprensa sobre suposta venda de emendas parlamentares propostas por integrantes do Poder Legislativo do Maranhão.

“É uma denúncia gravíssima, de que deputados desta Casa estariam vendendo suas emendas para agiotas, e a Assembleia tem o dever de esclarecer os fatos, para que não paire nenhuma dúvida sobre este assunto”, afirmou Tavares.

Em seu pronunciamento, ele manifestou-se solidário à preocupação externada, inicialmente, pelo deputado Raimundo Cutrim (DEM), que foi o primeiro a ocupar a tribuna da Assembleia, para tratar do assunto.

“Não é feio para nenhum deputado pleitear emendas; é uma prerrogativa do parlamentar. De modo que a denúncia feita na imprensa, de que deputados estariam vendendo suas emendas, é da maior gravidade e a Assembleia não pode fazer de conta como se nada estivesse acontecendo”, ressaltou o líder da oposição.

APURAÇÃO

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Arnaldo Melo (PMDB), com base no regimento interno, disse que fará cumprir o que determina a norma e que eventuais desvios de conduta por parte de seus componentes serão devidamente apurados, desde que cheguem até a Mesa Diretora, através de uma denúncia formalmente constituída por escrito.

Os jornalistas Décio Sá e Cláudio Humberto, postaram em seus blogs denúncia apontando que parlamentares estariam trocando com deságio de 20 a 50 por cento os valores das emendas junto a agiotas.

A afirmação do presidente da AL/MA atendeu a um questionamento do líder da Oposição na Casa, deputado Marcelo Tavares (PSB), que minutos antes havia indagado à Mesa Diretora sobre notícias veiculadas em blogs jornalísticos envolvendo deputados estaduais e a liberação de emendas parlamentares.

“A Casa Legislativa acaba não tendo controle sobre estas emendas porque os recursos são oriundos do Tesouro Estadual. Mas qualquer denúncia de desvio que chegue à Mesa Diretora, de forma oficial, por escrito, será encaminhada à Comissão de Ética para a devida apuração”, afirmou Arnaldo Melo.

O presidente, no entanto, completou suas afirmações, explicando que embora o assunto tenha ganhado repercussão, não poderá tomar maiores providências por falta de maiores elementos factíveis.

“A Assembleia não pode se manifestar em razão de insinuações vagas. Compete a qualquer governo investir os recursos que libera e aplica, assim como fiscalizar. O portal da transparência também tem a obrigação de divulgar para onde estes recursos são liberados. Não estou querendo polemizar o assunto, mas cumpriremos aquilo que está estabelecido em nosso regimento”, finalizou.

Contas na mesa

Dois ex-prefeitos terão contas de suas gestões julgadas pela Câmara de Vereadores de Governador Edison Lobão.

Nesta quinta-feira (30), se não houver contratempos, os vereadores apreciam as contas do exercício de 2004 de Ney Bandeira. Ney foi o primeiro prefeito do município e governou por dois mandatos, mas não conseguiu eleger o sucessor.

Washington Plácido, o sucessor e adversário, também tem contas a serem julgadas pela Câmara. Uma delas estava programada para a pauta deste mês, mas deve ficar mesmo só para agosto, já que em julho há recesso legislativo.

Plácido acaba de deixar o DEM e ingressar no PMDB, do qual será o presidente da comissão provisória. O ex-prefeito tem ainda mais dois partidos sob controle de aliados, o PP e o PTB. Telma Plácido, sua esposa, também migrou dos Democratas paras as hostes peemedebistas. Ela é um dos nomes lembrados pelos eleitores de Governador Edison Lobão para a eleição majoritária do ano que vem, e, segundo gente que conhece as coisas da política do eterno Ribeirãozinho, tem chances reais de conquistar a Prefeitura nas urnas.

Dia de pescador

A governadora Roseana Sarney (PMDB) sancionou, no último dia 14 de junho, a Lei nº 9.400/2011, que institui o Dia Estadual do Pescador, cujo Projeto de Lei nº 075/2011 é de autoria do Edson Araújo (PSL), apresentado em abril deste ano.
De acordo com a lei sancionada pela governadora, a data que homenageia a classe dos pescadores no Estado será comemorada no segundo domingo do mês de julho.
O deputado Edson Araújo tem como uma de suas principais bandeiras a luta pelo fortalecimento da atividade pesqueira como ferramenta para fomentar o desenvolvimento econômico do Maranhão.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

PMDB reunirá lideranças em Imperatriz

As principais lideranças do PMDB do Maranhão se reunirão em Imperatriz no dia 15 de julho em um grande encontro para debater questões internas do partido e as estratégias visando as eleições de 2012 no estado e na região tocantina.

Todos os diretórios e comissões provisórias municipais da região irão participar do encontro, que será realizado no Palácio do Comércio.

O encontro será presidido pelo senador João Alberto, presidente licenciado do Diretório Estadual, e o presidente interino Remi Ribeiro.

Devem participar, além de prefeitos, vereadores, dirigentes municipais e filiados, deputados estaduais e federais do PMDB maranhense.

O PMDB está se articulando para ampliar o número de prefeitos e vereadores no Maranhão no pleito do ano que vem. Também está reorganizando seus diretórios municipais e operando uma campanha para aumentar os filiados.

“O PMDB vem com um grande projeto para as eleições do ano que vem, e está buscando dinamizar e modernizar sua estrutura para continuar sendo o maior partido do Brasil e do Maranhão”, diz o ex-prefeito de Governador Edison Lobão, Washington Plácido.

Plácido deve comandar a comissão provisória do partido em seu município. Ele tem o aval do senador João Alberto, do presidente estadual (interino) Remi Ribeiro e do diretório municipal de Imperatriz. O processo de formalização do novo comando da sigla em Governador Edison Lobão já está tramitando no Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

“No encontro teremos a oportunidade de debater as primeiras estratégias para as eleições do ano que vem em nossa região. É importante, pela sua grandeza, o PMDB do Maranhão reivindicar candidaturas próprias em todo o Estado, até porque o partido deve consolidar a base de apoio da governadora Roseana Sarney, que ao lado do senador João Alberto, comanda o PMDB no Maranhão”, defende Plácido.
Senador João Alberto, presidente estadual do PMDB

    












Ditadura brasileira espionava Juan Perón, diz jornal argentino

Em meio à discussão sobre a abertura de arquivos confidenciais referentes à ditadura militar brasileira (1964-1985), o jornal argentino Página 12 publicou neste domingo (26/06) documento que mostrava que a ditadura brasileira espionava o então presidente do país vizinho, Juan Domingo Perón. Uma das razões que justificariam essa ação seria sua proximidade com o do ex-presidente brasileiro João Goulart (1961-1964), deposto por um golpe militar.
O relatório, datado de 1973, tem como origem o Ciex (Centro de Informações do Exterior), órgão que integrava o Ministério das Relações Exteriores brasileiro na época e anterior ao golpe de Estado que deu origem à ditadura civil-militar na Argentina (1976-1983).
Até a publicação desta matéria, o Itamaraty não respondeu ao pedido da reportagem de Opera Mundi para comentar os documentos.
O jornal não revela como obteve o documento, mas afirma que teve acesso a centenas de relatórios que mostravam as fortes ligações entre a ditadura brasileira e os militares que comandariam o golpe no país vizinho anos depois. A reportagem é assinada por Dario Pignotti, correspondente do Página 12 em Brasília, e conta com o depoimento de João Vicente Goulart, filho de Jango, como o ex-presidente era popularmente conhecido. "Eram frequentes os contatos e a afinidade [dos ditadores brasileiros] com os que promoveriam o golpe [argentino] de 1976 e aprovavam a guerra suja então já lançada contra a ‘subversão’", cita a matéria.

Na Espanha

O relatório, obtido pelo Página 12, é datado de 2 de março de 1973 e separado por seis itens. Ele mostrava a inquietação dos militares com a proximidade entre Perón e Jango, e seus freqüentes contatos. "Em sua última viagem à Europa, João Goulart encontrou-se com Perón na Espanha. Nesta ocasião, Perón disse que gostaria que Goulart se fixasse na Argentina, caso o peronismo ganhasse as eleições", menciona o documento, classificado como secreto.
No segundo item do relatório, o regime brasileiro relatou o convite do líder argentino a Goulart (1961-1964) para participar de um “amplo movimento latino-americano de libertação” das ditaduras, que se iniciaria na Argentina. "A conversa girou sobre a situação brasileira e sobre as ideias de Juan Perón para a criação de um amplo ‘movimento latino-americano de libertação’, cujo epicentro se localizaria na Argentina".
O terceiro ponto menciona a participação do economista Celso Furtado na reunião, "contratado por Juan Perón para assessorar o programa econômico do governo [do Partido] Justicialista [fundado pelo presidente argentino]".
Em entrevista ao jornal argentino Página 12, responsável pela divulgação dos arquivos, João Vicente Goulart concorda sobre a espionagem brasileira a Perón: "Participei de reuniões com ele e pressentia-se que nos vigiavam. Se os arquivos da ditadura fossem abertos, como a presidente Dilma [Rousseff] quer, haverá mais provas disso".
O filho do ex-presidente brasileiro também afirmou que houve mais reuniões entre os dois políticos, além da mencionada no documento divulgado pelo jornal. “Outra foi realizada em Buenos Aires, lembro que algumas pessoas nos diziam que os serviços [de inteligência] estavam rondando por lá”, afirmou.
Segundo ele, é "lógico" que a ditadura brasileira queria seguir os passos do presidente argentino. "Ele propôs ao meu pai se radicar na Argentina, de onde teria uma plataforma para organizar seu regresso ao Brasil e forçar uma abertura democrática, que os militares queriam atrasar", garantiu João Vicente.

Parceria

Um segundo documento, de 23 de novembro de 1974, é um telegrama da embaixada brasileira enviado em novembro de 1974 pela Embaixada do Brasil em Buenos Aires, também "secreto", reporta uma conferência bilateral "de inteligência” entre os exércitos brasileiro e argentino, confirmando a versão de uma coordenação entre as duas ditaduras.
Apesar de não divulgada a cópia, o jornal menciona ainda outro telegrama da embaixada, desta vez de setembro de 1975, que teria relatado uma “longa conversa” com o então ditador argentino Jorge Rafael Videla e o comandante da Marinha, Eduardo Massera. Ambos cumprem atualmente penas de prisão perpétua por crimes contra a humanidade cometidos durante a repressão no país.
Na conversa, os dois teriam expressado interesse de "estimular por todos os meios a aproximação das Forças Armadas" do Brasil e da Argentina. Em outra mensagem confidencial de fevereiro de 1975, estaria ainda mais explícito o planejamento conjunto das ditaduras dos países, quando relata um encontro de diplomatas brasileiros com o então ministro de Defesa argentino, Adolfo Savino.
O despacho menciona uma abordagem de "total franqueza sobre a necessidade de um profundo entendimento" entre os países para combater "os inimigos comuns da subversão". Ainda segundo o jornal, o filho de João Goulart lamenta que o Brasil esteja tão atrasado em comparação com países como a Argentina, onde "houve um acerto de contas com a história e a verdade".
Sobre a abertura dos arquivos da ditadura militar brasileira, 47 anos depois do golpe contra Jango, João Vicente afirma: “Já está na hora de acabar com este longo silêncio, ainda vivemos dando as costas para a história dos anos 70, devido às pressões de grupos ligados ao terrorismo de Estado”, lamentou.
A estratégia de Perón, como se sabe, não progrediu. O presidente argentino morreu aos 78 anos, em 1º de julho de 1974, durante seu terceiro mandato. Ao contrário do que pretendia, a ditadura se aprofundou em vários países latino-americanos, incluindo a própria Argentina dois anos depois.
João Goulart morreu na Argentina, na cidade de Mercedes. A versão oficial teria sido um ataque cardíaco. Entretanto, uma  de 2008 relata o depoimento de um ex-agente uruguaio que afirma que Jango foi envenenado por ordem do delegado Sérgio Fleury, do Dops (Departamento de Ordem Política e Social) – com anuência do governo brasileiro.

domingo, 26 de junho de 2011

No fio da navalha

O ministro do Turismo, Pedro Novais, nunca foi recebido pela presidente Dilma Rousseff desde que assumiu o cargo. Em seis meses à frente do ministério, só assinou uma medida.

É o homem a quem Flávio Dino, futuro presidente da Embratur – toma posse nesta quarta-feira, 29 –, vai pedir bênçãos.

sábado, 25 de junho de 2011

Em nota, Davi Jr. manda recado a Madeira

O deputado federal Davi Alves Silva Júnior deixa claro em nota seu rompimento político com o prefeito Sebastião Madeira e sua profunda insatisfação com a assessoria da Prefeitura, especiamente o secretário de Comunicação, Elson Araújo, a quem cita nominalmente como um dos responsáveis pelo "esquecimento" ao seu "trabalho e empenho em conseguir a liberação dos recursos necessários para a construão da ponte do bairro Bacuri", na rua rua Coronel Manoel Bandeira, no Bacuri. 
Leia a íntegra da nota:
Nota à imprensa
Brasília, 22 de junho de 2011
Com relação à obra de construção da Ponte da Rua Coronel Manoel Bandeira, entre as ruas Tupinambá e Tamandaré, informo que mesmo sem haver, por parte das autoridades municipais, qualquer referência ao meu trabalho e empenho em conseguir a liberação dos recursos necessários para a construção da Ponte do bairro Bacuri, manifesto minha alegria e satisfação em atender a uma antiga reivindicação da população.
A Ponte que era de madeira oferecia constantes riscos a quem por ali passava. Usada para a travessia do riacho do meio, a Ponte, agora em concreto armado, foi entregue pela prefeitura de Imperatriz no último sábado (18), como divulgado pelo jornal O Progresso e blogs do secretário de comunicação Élson Araújo, Carloto Júnior e demais.
Com a Ponte, Imperatriz ganhará mais uma via de acesso ao grande Bacuri, o que reduzirá o tráfego na Simplício Moreira.
Davi Alves Silva Júnior
Deputado Federal
PR/MA

terça-feira, 21 de junho de 2011

Lamentos & Lamentos

Nesta quarta em São Luís, d. Clara Moreira, suas quatro filhas e o neto estarão sentados na primeira fila da igreja, para lembrar Luciano Moreira. Só ali, e unicamente ali, naqueles corações, estará a verdade de um amor.

Lamentos. Os verdadeiros lamentos.

O de resto foi notícia verdadeira, notícia de sentimento; e  o segundo “Lamentos”, de gente pequena.

Li uma nota de uma promotora, indignada, que protestava: enquanto a família buscava alguma réstia de esperança e fortalecia sua fé para estar com Luciano, membros do Ministério Público, o todo-poderoso Ministério Público, rodavam o boi em Barreirinhas, para onde o deputado havia se deslocado, e de onde retornava, para colaborar com um evento do próprio MP. Segundo o desabafo da promotora, não fizeram sequer um minuto de silêncio, ou tiveram o senso crítico de entender a situação. Depois dizem que a gente “é que toma todas”. Vocês me entendem?!

Pois bem, no mesmo dia procurei notícia da morte do deputado. Encontrei no Portal Terra. De mais de vinte comentários sobre a notícia, li comentários obtusos, preconceituosos, desabafos de reprimidos, relatos de mal-resolvidos esquerdistas. Usavam o argumento contra o Maranhão e a família Sarney, como se eles, os ignorantes dos comentários, conhecessem o Maranhão. E desciam a ripa no deputado, sobre quem nunca tinham ouvido falar ou lido (ler, aqui, é uma questão de educação).

Nestas situações, como é fácil ser falso, e como é fácil usar a letra do “não sou hipócrita” para despejar ódio, rancor, inveja, despeito, fracassos, ou mesmo tentar esconder as falhas de caráter, tão comuns nos nossos blogues, para atacar, difamar, pisar, exercer o falso poder, pisotear, mostrar-se poderoso, quando na verdade, o sangue que lhes circula na veia clama pela liberdade de corpo e mente tão diabólicos.

Pisotear o corpo é fácil. Pisotear a “alma” é fracasso. Quem pisoteia a alma, pisoteia a própria consciência.

Um pouquinho de respeito seria muito bom. Mesmo para os auto-suficientes.


Quem é o cara?

Vocês sabem o nome, ouviram falar ou já viram uma foto dele? O nome é Marco Antonio Toccolini, e ele é o secretário da Representação Institucional do Governo do Maranhão no Distrito Federal (Rebras). É o substituto de Chiquinho Escórcio.

Em matéria da Secretaria de Comunicação do estado, Marco Antonio se gaba de ter articulado a agenda da governadora Roseana em Brasília recentemente, incluindo um encontro com a presidente Dilma.

Olha o cara aí na foto abaixo!

Flávio Dino não descarta Prefeitura de São Luís

O novo presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), Flávio Dino, assume o cargo às 10 horas do próximo dia 29. Jurista de formação e com carreira política em ascensão, ele destaca que esses dois aspectos vão ajudá-lo na condução do setor do turismo. Sobre o futuro político, ele lançou mão da máxima “cada dia com sua agonia” para dizer que não pode afirmar se a sua ida para a Embratur o impedirá ou não de ser candidato nas próximas eleições para o cargo de Prefeito de São Luiz (MA).
 

Vermelho: A sua área é jurídica, qual a expectativa ao assumir um cargo nesse setor?

Flávio Dino: A politica de turismo é uma política pública e como tal deve ser gerida politicamente. Essa experiência jurídica e política que eu tenho pessoalmente ajudam a compreensão dessa política pública e sua gestão. Na verdade, a política pública de turismo, que possui suas especificidades, não é isolada das demais políticas de Estado. Ao contrário, para ser bem-sucedida, seja na sua dimensão interna ou internacional, depende da interface com outras políticas que são desempenhadas pelo Estado. Exatamente aí que entra essa experiência jurídica e política que eu possuo de articular política pública de turismo com outras politicas de Estado e com isso fortalecer a política pública de turismo e possibilitar a realização desses macro-objetivos que nós temos, sobretudo no terreno econômico.

Vermelho: Quais são esses objetivos?

FD: A política pública de turismo é reconhecida mundialmente, algo consolidado na sua grande aptidão de gerar emprego, renda e divisas para o país, recursos para financiamento do Estado brasileiro. Esses macro-objetivos sustentam a necessidade de ela ser priorizada permanentemente e, no caso brasileiro, com uma singularidade de grande importância. A política de turismo se torna mais estratégica na medida em que o Brasil sediará em 2014 e 2016 os dois maiores eventos do planeta, que devem ser trabalhados antes, durante e depois, como capazes de fortalecer a imagem do país no cenário internacional e elevar o patamar de participação do Brasil no mercado de turismo internacional que ainda é muito pequeno. A estimativa é de que um bilhão de pessoas circulam no mundo e no Brasil a presença de turistas estrangeiros está na ordem de cinco milhões e cem mil turistas. Portanto, temos um grande espaço de crescimento.

Vermelho: E com relação ao mercado interno. Com o dólar em baixa, muitos brasileiros viajam para o exterior. O que pode ser feito para estimular mercado interno e aproveitar esses turistas dentro do Brasil?

FD:  Também aí os eventos esportivos ajudam. Porque nós teremos 14 cidades que serão sede de jogos da Copa do mundo e nós devemos fortalecê-las como destinos turísticos para estrangeiros e para os brasileiros. Na medida em que articularmos e promovermos ações de promoção desses destinos, que não são só os estados sedes, mas também os estados vizinhos, que podem e devem ser abrangidos por esse esforço de divulgação e promoção, se fortalece a imagem desse destinos, alguns já consolidados, outros por consolidar, também se beneficiará e se incentivará o turismo interno.

Vermelho: ...

FD: ... Além do fato dos investimentos de infraestrutura, de saneamento e de mobilidade que estão articulados com os eventos esportivos melhorarão as condições de vida para a população e para os estrangeiros.

Vermelho: Eu ia perguntar exatamente isso, de que maneira essas melhorias na infraestrutura das cidades e nos serviços, como o de segurança no Rio de Janeiro, por exemplo, ajudarão no turismo interno?

FD: Nenhuma proposta ou projeto que seja implementado nessas áreas tem efeito isolado em relação a outros aspectos. Por isso é importante compreender a centralidade dos grandes eventos para a política de turismo. Não por eles em si apenas. Eles são importantes por eles mesmos. A estimativa é que 900 mil pessoas de outros países nos visitarão para participar desses dois eventos. Isso já de grande importância, mas é fundamental aproveitar essa janela de possibilidade única. Nenhum país teve oportunidade de num espaço de tempo tão curto sediar dois eventos que geram impactos que são reconhecidos por todos.

Vermelho: Esses dois eventos podem ajudar também a ampliar a oferta de produtos turísticos no Brasil, ou seja, atraindo outros e mais eventos?

FD: O turismo de eventos e negócios é essencial. Em São Paulo, por exemplo, o turismo de eventos e negócios é de grande importância. Há um esforço da Embratur de atrair eventos internacionais e à medida que a ‘expertise’ brasileira for comprovada com a realização de dois eventos de altíssima complexidade, com certeza estimulará que outros eventos internacionais possam ser realizados no Brasil, ajudando que a imagem do nosso país tenha agregação de outros elementos, porque hoje os carros-chefe de atração de turistas estrangeiros para o Brasil são a nossa natureza e o nosso povo. Precisamos agregar a isso outros elementos, entre os quais está o fato de termos atrativos naturais, cultura viva de grande diversidade, povo caloroso, alegre, hospitaleiro, mas temos o ativo da modernidade, que tem boa estrutura. Novamente aqui os grandes eventos esportivos vão ajudar a agregar esses elementos e com isso nós podemos ocupar um lugar melhor no mercado internacional do turismo na medida em que nossa imagem se pluralize com outros elementos.

Vermelho: Qual o nível de preocupação da Embratur no combate ao turismo sexual?

FD: Novamente é preciso contar com ações de outros órgãos do Estado, como o Ministério da Justiça, com ação repressiva, sobretudo, e também do Ministério dos Direitos Humanos. No caso específico da Embratur, há preocupação que existe e permanece quando da divulgação do nosso país não se fortaleça esses elementos. Inconscientemente no passado havia indevida associação entre a imagem do nosso país a fatores que estimulariam o turismo sexual. Isso tem que ser veementemente combatido.

Vermelho: Qual a sua expectativa com relação ao seu futuro político? As eleições municipais estão se aproximando. Você será candidato?

FD: A expectativa é que cada dia com sua agonia (risos). Esse é um ótimo problema. De fato, o Partido está muito bem posicionado na luta política no Maranhão. Se fortalece a cada dia em São Luiz e em outras cidades do estado. O Partido vem de duas campanhas vitoriosas politicamente que o colocaram no patamar muito bom de protagonismo político. A indicação para a Embratur não enfraquece isso, ao contrário, fortalece esse processo de construção de uma alternativa política no estado. Como isso se traduz concretamente nas eleições para prefeito de São Luiz é algo a ser tratado em 2012. Nem é correto afirmar hoje que eu serei candidato a prefeito de São Luiz, como também não é correto dizer que em função da indicação para Embratur eu não serei candidato a prefeito, porque se a decisão política partidária e dos aliados for que eu seja candidato a prefeito, eu serei candidato a prefeito.



De Brasília

Márcia Xavier

www.vermelho.org.br

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Flávio Dino "assim" com Sarney

“Por que esconder o sol com a peneira?” Com a pergunta, o secretário de Articulação Política de Roseana, Hildo Rocha, desmonta os seguidores de Flávio Dino, para os quais a nomeação do ex-deputado federal para a presidência da Embratur foi uma rasteira de Dilma em Sarney.

Como sempre os alinhados do dono do PCdoB do Maranhão tentam emplacar factóides, principalmente nas redes sociais.

“É lógico que ele teve o aval político do presidente do Congresso Nacional José Sarney para ser nomeado pela presidenta Dilma. Ela jamais trombaria com o presidente do Congresso Nacional por causa de um cargo de segundo escalão”, prossegue Hildo Rocha, em nota postada na sua página no Facebook.

Publiquei aqui antes que o nome de Flávio teve o aval de Sarney, a quem a presidente consultou antes da decisão. O cargo era do PT, mas o PMDB estava de olho. Sarney concordou e emplacou mais um maranhense no governo de Dilma.

Os caras da Capital já dizem que Flávio desistiu da Prefeitura de São Luís. Só pensa agora em 2014, no Governo do Estado. Alianças à vista? Quem sabe?!

As ministras superpoderosas

VERA MAGALHÃES
 DE SÃO PAULO

Saem os Três Porquinhos, entram as Meninas Superpoderosas. Em menos de seis meses, o eixo de poder do governo Dilma mudou: os três homens que comandaram a campanha e assumiram postos chaves no Executivo e no partido deram lugar na ribalta a três mulheres que passam a dominar o Planalto.

Como na lenda infantil, as "casas" dos Porquinhos caíram, por razões distintas. José Eduardo Dutra deixou a presidência do PT após enfrentar problema de saúde.

Antonio Palocci (Casa Civil) surpreendeu o país ao enfrentar a segunda queda em menos de quatro anos.

Sobrou José Eduardo Cardozo (Justiça), que, nas semanas em que o governo viveu sua principal crise, primeiro teve atuação discreta, e, depois, saiu de cena por conta de uma anemia.

Na troca da guarda, entrou em cena um trio que passou a comandar os principais programas de governo e a coordenação política de Dilma.

Juntas, Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Miriam Belchior (Planejamento) são responsáveis pela gestão de todas as vitrines do governo, do PAC ao Minha Casa, Minha Vida.

A divisão de tarefas, estabelecida quando Palocci ainda estava sob o teto do governo, agora pode causar alguma cotovelada entre as duas.

Isso porque Gleisi assumiu dizendo que sua missão seria cuidar da execução dos programas do governo, e justamente o mais amplo deles, o PAC, foi retirado da Casa Civil para o Planejamento, dada a função eminentemente política do ex-ministro.

Se por um lado a nova ministra enfatiza seu papel de gestora, é de se esperar que some esforços com a terceira integrante do trio. Gleisi pode dar à negociação política a leveza que ainda falta a Ideli Salvatti, apostam aliados.

"Gleisi sabe negociar, ceder e compor quando preciso. A Ideli já deu mostras de ser mais inflexível", analisa um líder da base na Câmara.

Única das três que estava no Planalto desde a posse de Dilma, Belchior passa, com a assunção das outras, a novo patamar de visibilidade, apostam ministros e aliados.

"A Miriam tem a memória do governo Lula, a confiança da Dilma há mais tempo e controla a chave do cofre. É ela que vai dizer quando será a hora de soltar o torniquete dos gastos", diz um colega.

O único homem de peso na cozinha de Dilma agora é Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral). A presidente cumpre, ainda que meio por acaso, a promessa de campanha de ter mais mulheres em cargos-chave.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Assista ao vivo velório do deputado Luciano Moreira

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR O VELÓRIO DO DEPUTADO LUCIANO MOREIRA PELA TV ASSEMBLÉIA

Nomeação de Flávio Dino para Embratur teve aval de Sarney

O governo confirmou a nomeação nesta sexta-feira de Flávio Dino (PC do B-MA), candidato derrotado ao governo do Maranhão e adversário político da família Sarney, para a presidência da Embratur.

O petista Mário Moysés, que ocupava o cargo, é cotado para a APO (Autoridade Pública Olímpica). Ele é ligado à senadora Marta Suplicy (PT-SP).

A nomeação de Dino ocorre apesar da resistência de parte do PMDB. Assessores da presidente afirmam, entretanto, que ela teria conversado sobre a nomeação com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

MORTE DE LUCIANO MOREIRA - Nota de pesar da governadora Roseana Sarney

A governadora Roseana Sarney foi informada da morte do deputado federal Luciano em Brasília, onde cumpria agenda de trabalho. A secretaria de Comunicação do Governo do Estado acaba de divulgar Nota de Pesar da governadora. Leia a íntegra:

Bastante entristecida, a governadora Roseana Sarney lamentou a morte do amigo, deputado federal e correligionário Luciano Moreira, ocorrida na noite desta quinta-feira (16), em acidente  de carro na estrada de Morros. A governadora recebeu a notícia do falecimento em Brasília, onde cumpria agenda de audiências, e cancelou os compromissos de trabalho marcados para esta sexta-feira (17) e sábado (18),  na Região Tocantina.

Um amigo muito querido, Luciano Moreira sempre trabalhou voltado para melhorar a vida do cidadão. Estava realizando um belo trabalho na Câmara. O Maranhão perde um grande homem e um político que iniciava sua caminhada e ainda tinha muito a contribuir com o estado”, declarou a governadora.

Roseana Sarney ressaltou que Luciano Moreira deixa um legado de excelentes serviços prestados ao Maranhão, tendo sido secretário na área de Administração nas suas duas primeiras gestões e retornando ao cargo em 2009, quando ela reassumiu o governo. Ele deixa sua marca em projetos como o Viva Cidadão, a Universidade da Terceira Idade (Uniti), o Programa de Assistência Integral ao Aposentado (PAI) e a Escola de Governo (Egma).

Em seu currículo, estão os cargos de Secretário de Estado do Planejamento, Ciência e Tecnologia; de Administração, Recursos Humanos e Previdência; gerente de Estado de Administração e Modernização; gerente de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão; e secretário de Assuntos Estratégico. Até março de 2010, quando saiu para a campanha vitoriosa a deputado federal, foi Secretário de Administração e Previdência Social.

A governadora Roseana Sarney decretou luto oficial por 3 dias.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Deputado Luciano Moreira morre em acidente


O deputado federal Luciano Moreira (PMDB) sofreu um acidente na noite desta quinta-feira (16), em Morros quando retornava da cidade de Barreirinhas. O deputado não resistiu aos ferimentos e morreu.

No Maranhão, foi Secretário de Estado do Planejamento, Ciência e Tecnologia; Secretário de Administração, Recursos Humanos e Previdência; gerente de Estado de Administração e Modernização; gerente de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão; secretário de Assuntos Estratégicos e até março de 2010, Secretário de Administração e Previdência Social.

Em todas as suas gestões, implementou projetos de referência nacional. No Maranhão destacam-se Shopping do Cidadão, Reitor pro tempore da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Universidade da Terceira Idade, PAI-Programa de Apoio ao Idoso e EGMA-Escola de Governo.

Luciano Moreira é economista, com mais de 30 anos de vida pública. Foi Secretário de Estado no Maranhão, Roraima e Ceará. Nesse último, conduziu as pastas de Planejamento e Administração, sendo Coordenador da Reforma Administrativa do Governo Tasso Jereissati.

Em Roraima, foi Secretário de Gestão Estratégica e Administração; Secretário da Educação, Cultura e Desportos e implantou a Reforma Administrativa de Roraima, quando o Estado atingiu índices educacionais recordes na região Norte.

Ildão fora do páreo?

É o assunto das últimas semanas em blogues, rodadas políticas e nas praças e esquinas. Será mesmo?

Muito cedo ainda para certas afirmações. Nem se sabe ainda como ficará o panorama político ano que vem. Pode haver uma frente centro-direita apoiando Madeira? Dependerá de Roseana e Lobão. O prefeito tucano quer, claro! Mas como convencer os “inconvencíveis”?

E uma frente de esquerda, será possível, com tantos candidatáveis? Pelo PT, o nome de Expedito Barros; pelo PCdoB, professor Marco Aurélio e Edmilson Sanches, que deve deixar o PSDB e ingressar na sigla; tem também a ex-juíza Maria das Graças, que não definiu ainda para onde vai, e o ex-vice-governador Pastor Porto, do PPS. Mais a eterna candidata Mara La Rocque, Justino Filho, etc e tal. E tem ainda o PDT, que sonha sempre com Carlinhos Amorim.

Por enquanto, nesse falatório todo, Madeira, com todo o desgaste, ainda é o favorito. Mas até quando se dará ao luxo de queimar a “gordura eleitoral” ganha no último pleito?

Com patrimônio eleitoral em crescimento, e o voto do funcionalismo público, Ildão faz seus cálculos. Mete medo nos madeiristas e para onde pender – caso não seja candidato – fará um estrago danado.

Resumo do riscado: Ildão ainda dá as cartas e está mais forte que nunca.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Madeira tenta tirar proveito de declaração de ex-secretário de Ildon

Matéria distribuída hoje pela Secretaria de Comunicação da Prefeitura:

Rede Social
Ex-secretário de Infraestrutura  Jairo de Oliveira reconhece trabalho do atual Roberto Alencar

O ex-secretário de infraestrutura do município de Imperatriz (gestão Ildon) Jairo Oliveira reconheceu ontem, em comentário na sua página no Facebook, o bom trabalho realizado na pasta da Infraestrutura da Prefeitura por intermédio do atual secretário, o  engenheiro civil Roberto Alencar.

“Quero dar testemunho ao vivo e em cores: fui secretário de obras da cidade de Imperatriz e muito me orgulho do que fizemos, mas, justiça seja feita, o Roberto de longe é o secretario mais profissional dos últimos tempos. Parabéns, companheiro sei que você enfrenta dificuldades inúmeras no dia a dia de nossa cidade, mas você tem conduzido sua pasta de forma extremamente profissional.  Parabéns a você e sua equipe”, disse o ex-secretário  na página do Facebook.  

O comentário foi em cima de uma nota do blogueiro Antonio Pinheiro (Noticia da Foto) também no Facebook, em que este narra que “em visita a uma obra que esta sendo executada pela Prefeitura de Imperatriz na Rua Sousa Lima, o secretário Roberto Alencar estava bastante otimista com o andamento dos trabalhos”.

Jairo Oliveira, ex-presidente da Associação Comercial e Industrial de Imperatriz, foi secretário por duas vezes na administração do ex-prefeito Ildon Marques. Hoje é um dos executivos de um grande grupo empresarial do setor da construção civil. 

Ao ser informado sobre o comentário do ex-secretário, Roberto Alencar retribuiu a gentileza destacando Oliveira como um cidadão de bem que como empresário, e líder classista também deu sua contribuição para o desenvolvimento de Imperatriz.

Alencar agradeceu e disse que ficou bastante feliz com a observação de Jairo Oliveira,  ressaltando ser este um elogio que gostaria de compartilhar com o prefeito Madeira que é quem proporciona as condições para que ele (Roberto) possa   levar a cabo seu trabalho.

QG em Imperatriz articula candidatura em Porto Franco

Uma bar na rua Piauí esquina com 13 de Maio virou o QG de um grupo de empresários e profissionais liberais que defendem a candidatura de Itamar Miranda à Prefeitura de Porto Franco.

Relutante, Itamar tenta esconder o jogo. Do grupo político de Deoclides Macedo, espera a bênção do atual prefeito portofranquino ao seu projeto.

Um dos pesos pesados que apóiam sua candidatura é o presidente da Câmara de Vereadores de Imperatriz, Hamilton Miranda.

sábado, 11 de junho de 2011

TEM CADA UMA: Gases de camelo contribuem para o efeito estufa


Uma empresa australiana apresentou uma proposta inovadora contra as emissões poluentes: matar toda a população de camelos do país, já que seus gases contribuem para o efeito estufa. 

Cada camelo emite cerca de 45 kg de gás metano por ano, que equivale a uma tonelada de dióxido de carbono.

Embora seja considerada como uma missão impossível, erradicar a população de cerca de 1,2 milhão de camelos seria igual a tirar de circulação 300 mil carros que percorrem cerca de 20 mil km anuais.

Por isso a companhia australiana Northwest Carbon propõe matar os mamíferos utilizando helicópteros e carros, e depois processar sua carne para elaborar alimentos para animais de fazenda ou domésticos.

Esta proposta está sendo avaliada pelo governo de Camberra, como parte de seu projeto para a redução de gases poluentes no setor agrícola, explica o secretário legislativo sobre Mudança Climática, Mark Dreyfus.

Os camelos não são só um dos maiores emissores de dióxido de carbono na Austrália, mas também causam prejuízos anuais às colheitas avaliados em mais de US$ 10 milhões.

No entanto, esse número "não inclui o custo ao meio ambiente" e o dano produzido por eles é maior "em períodos secos quando se juntam em hordas", disse Jan Ferguson, diretora do Ninti One, organismo responsável pelo Projeto para o Controle de Camelos Selvagens na Austrália.

Os camelos, cuja população se duplica a cada nove anos, têm um instinto de sobrevivência tão desenvolvido que podem beber até 200 litros de água em três minutos e percorrer 70 km ao dia.

Por isso, o projeto do Ninti One apresentou a iniciativa CamelScan, que permite à população comunicar a localização dos animais no Google Maps e analisar seus movimentos e comportamentos de acordo com a estação do ano.

Lançado no início da temporada de acasalamento, entre maio e outubro, o CamelScan se soma a outras ideias, como a vigilância aérea e por satélite e a exterminação a partir de helicópteros. Outra ideia é capturar os camelos e aproveitar sua carne para o consumo humano ou animal.

"Mesmo com a tecnologia atual, a erradicação da população total selvagem é considerada impossível e, por isso, o projeto de controle destes animais pretende simplesmente reduzi-la em áreas críticas", disse Jan.

A Austrália recebeu seu primeiro camelo em 1840, um exemplar procedente das Ilhas Canárias, e depois os colonos britânicos começaram a importá-los de Índia e Paquistão.

Inicialmente foram utilizados para explorar a vasta região desértica do centro do país, já que as animais podem carregar até 800 kg.

Foi assim até o século 20, quando sua função passou a trens e veículos. Nessa época, milhares foram libertados e, desde então, se reproduzem sem controle.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Homenagens, bobagens e reconciliação



Semana de nostalgia e homenagens no cenário político procopiano. Ex-governadores sendo lembrados pelos pupilos, uma injustiçazinha aqui, um oportunismozinho ali, e o marasmo se refresca um pouco, porque ninguém é poste pra ficar parado.

O deputado Léo Cunha teve projeto aprovado que dá nome à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) - a ser inaugurada não sabe em qual milênio - que homenageia o ex-governador e ex-prefeito de Imperatriz, José de Ribamar Fiquene.

E outro parlamentar imperatrizense também puxou a brasa pra sua sardinha, nessa onda de “homenagens póstumas. Carlinhos Amorim indicou o nome de Jackson Lago para batizar a rodoviária e a Assembléia Legislativa concordou. 

Agora veja que curioso: Fiquene começou a construção da rodoviária quando estava no Palácio dos Leões, e somente depois, muitas eras depois, Jackson retomou a obra, timidamente, em período pré-eleitoral. Eis aí o motivo de muita gente indignar-se com o projeto de Carlinhos.

Tudo bem, Jackson conquistou a simpatia do eleitorado tocantino, mas se formos pro papel, o que fez de prático para Imperatriz?! Apenas a reforma do estádio, e olhe lá que o projeto inicial não contemplava um monte de coisas. A ponte foi José Reinaldo quem começou.

Fiquene foi juiz e prefeito de Imperatriz, senador da República, aqui morou, se casou, teve filhos e implantou colégios e duas universidades. Jackson, que era médico, prometeu muito e quase nada fez pela “brava gente tocantina”, seu bordão favorito nos atos públicos.

Mas, como sempre, tudo ficou nas querelas, nas discussões miúdas, e a vidinha continua...

Tudo azul e paz, um fecho de coluna social: prefeito Madeira e Jean Carlo fizeram as pazes. O vice já aparece em solenidades públicas representando o alcaide - deve ter ganho uns mimos para amolecer o coração.

Enfim, toca a quadrilha que São João e São Pedro tudo entendem.

“Cada paralelepípedo da cidade” um dia ainda vai se arrepiar.    


terça-feira, 7 de junho de 2011

Marco Aurélio confirma pré-candidatura pelo PCdoB

O professor Marco Aurélio assumiu publicamente na manhã desta terça-feira 7, durante entrevista ao radialista Arimatéia Júnior, na rádio Nativa FM, que é mesmo pré-candidato a prefeito de Imperatriz pelo PCdoB.
Candidato à Assembléia Legislativa nas últimas eleições, Marco Aurélio surpreendeu com uma votação superior a 12 mil votos, sendo mais de 11 mil deles em Imperatriz - quase 10% dos votos válidos para deputado estadual no Município. É o terceiro suplente de sua coligação.
“Nosso grupo está em ascensão e existem muitas possibilidades. No momento, entretanto, o partido não pode garantir a candidatura de ninguém”, declarou, referindo às especulações de que o vereador Edmilson Sanches, estaria deixando o PSDB para assumir uma pré-candidatura também a prefeito pelo PCdoB.
“Ele ainda não se filiou, mas já teve duas reuniões com o partido”, disse Marco Aurélio.
Para ele, “por enquanto a prioridade é Flávio Dino 2014 [ao governo do estado]”.
 “O jogo é muito aberto, existem muitas possibilidades. Tenho recebido manifestações de muitas pessoas e os números de uma pesquisa mostram meu nome bem avaliado, com rejeição quase zero, o que nos coloca num patamar de crescimento”, afirmou. “A campanha de 2012 será movida pelo sentimento de renovação, pelo menos é o que se vê no momento”.
“Projetos conservadores já foram testados na Prefeitura de Imperatriz e não se chegou a lugar algum”, frisou.
“Nosso projeto não é uma imposição, mas estamos viabilizando uma proposta. Caso não seja o meu nome o escolhido pelo partido, estarei assim mesmo dentro desse projeto de renovação”, garantiu o professor.
Marco Aurélio disse também que não teme “as candidaturas milionárias”. “Dinheiro não ganha eleição, quando as pessoas querem mudar não adianta”, afirmou.

MAIS EM JORNAL O NOVO ESTADO

Maria das Graças também ensaia candidatura

Mais um daqueles supostamente aliados do prefeito Sebastião Madeira (PSDB) estaria disposto a pleitear uma candidatura a prefeito pelos chamados partidos socialistas (ou de esquerda, ou progressistas, como queiram os entendidos).
Após o deputado estadual Carlinhos Amorim (PDT) ter sugerido, segundo informes da blogosfera, de que seu projeto rumo ao Palácio Renato Moreira passa sim pelas urnas em 2012, agora a ex-juíza Maria das Graças teria sinalizado idêntica vontade.
Ex-colaboradora de Madeira - que no início do mandato criou uma pasta só para acomodá-la no governo – Maria das Graças teria dois caminhos até o prazo final para as filiações: o PCdoB ou o PSOL.
O PCdoB sonha com uma frente de partidos de esquerda (PT e PSB inclusos) e, inicialmente, vê com enorme simpatia a candidatura majoritária de Edmilson Sanches – para isso, o vereador necessariamente teria que abandonar o ninho tucano.
Sanches já foi do PSB, para onde poderia retornar. Mas aí há um porém: Madeira está jogando tudo para atrair a sigla ao seu círculo de apoio, e contaria com um aliado para o plano, o dirigente Neudson Claudino, que move-se para controlar o PSB.
Nesse cenário, restaria a Sanches o PCdoB, do ex-candidato a governador (foi o mais votado em Imperatriz), Flávio Dino. Que apoio, hein?!
Maria das Graças indo para o PSOL, isolaria o partido. E o que era difícil, tornar-se-ia quase impossível, óbvio, alguma chance de êxito nas urnas. E vice, ela quer? Teria que levar o PSOL junto. Mas caso Sanches ingresse no PCdoB, a vaga seria do PT. Dificuldade novamente.
Seja como for, apesar das defecções, Madeira ainda é o favorito e seu maior adversário por enquanto – por enquanto! –, continua sendo o ex-prefeito Ildon Marques, pelo menos levando-se em conta o patrimônio eleitoral dos candidatáveis oposicionistas postos até agora.
Todavia, o projeto Sanches é viável. Aliás, viabilíssimo.