Oportunismo eleitoreiro

Ano de eleição é sempre assim. Aparece dinheiro para tudo, promessas são renovadas, o que não pôde ser feito no começo de repente vira a coisa mais fácil do mundo. Sem ainda ter cumprido nem uma ínfima parte dos compromissos assumidos em campanha, o prefeito Sebastião Madeira de uma hora para outra anuncia várias ações na tentativa da adocicar a boca do eleitorado com o mel da disfarçatez.

Primeiro, mandou divulgar que vai adquirir R$ 4 milhões em equipamentos para o Socorrão. Mas pera aí, até o final do ano passado, três anos de administração, o prefeito vivia choramingando, dizendo que o caos na saúde decorria da falta de recursos. Correu para Roseana com o pires na mão e ela o socorreu, e em “agradecimento” o prefeito ordenou gente paga pela Prefeitura espalhar nos bairros que a governadora havia liberado R$ 5 milhões, sim, mas que, assim que assumiu, com a queda de Jackson, mandou cortar R$ 60 milhões de Imperatriz. Tudo balela. Agora, Madeira aparece com esses R$ 4 milhões. De onde vieram?  Coisa de ano eleitoral.

Outra jogada do prefeito: concurso público. Todo mundo sabe como isso funciona. Arrecada-se a grana dos candidatos, paga quem vai operar o concurso, e depois tome chá de espera nos aprovados. Por que não fez antes, já que sabia que havia carência de gente nas áreas em que será realizado do concurso? Coisa de politicagem.

O prefeito resolveu também dar uma de bonzinho. Anunciou que a Prefeitura começa agora em março cadastramento de famílias que irão participar do sorteio de 2.300 casas. Coisa de oportunismo. Um conjunto do PAC, iniciado na gestão anterior e concluído agora na sua, está abandonado, as casas todas se desfazendo, mas ao agora ele anuncia o sorteio. Coisa de oportunismo e desrespeito com as famílias carentes beneficiadas com o programa.

E assim segue a administração tucana. Um remendo aqui outro acolá, uma jogada de marketing de em vez em quando porque ninguém lá é bobo.

***

Pré-candidato, sim

O deputado estadual Carlinhos Amorim confirma à coluna que é pré-candidato, sim, à Prefeitura de Imperatriz. Diz que tem o aval das direções nacional e estadual do PDT.

Carlinhos revela que vai trabalhar pela unidade do partido, hoje rachado com a intervenção no diretório nacional.

Sobre a eleição, diz que está aberto a conversas com outros, mas descarta aliança com o PSDB, do qual afirma ter se distanciado.


Publicado originalmente na coluna de terça, 6/3, do Correio Popular (www.jornalcorreiopopular.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Piracanjuba: Quem é o pai?

Coisas de nossa política paroquiana. Cada vez que ganhamos uma obra, um investimento, um empreendimento, um alvoroço se instala no se...