Racha no PMDB

Alair Chaves, dirigente do partido, prefeito Assis Ramos, Antonio Leite, presidente do PMDB, e secretário Fidélis Uchoa (PRB)/Foto: Blog da Kelly
Caciques do PMDB mantêm em silêncio o descontentamento com o prefeito Assis Ramos.

O presidente municipal da sigla, Antonio Leite, até esteve na posse, mas deixou a Câmara Municipal exatamente no momento que o prefeito iniciava seu discurso.

Remi Ribeiro, presidente de honra estadual, compareceu, mas manteve-se impassível, cumprindo o protocolo.

Chiquinho Escórcio, homem forte dos Sarney, nem sequer fala com o prefeito.
Outros históricos sumiram. Dirigentes menores, estes coitados derramam lamentos pelos corredores.

Do PMDB, apenas a vereadora Fátima Avelino assumiu cargo de primeiro escalão. Vai dirigir a Secretaria de Desenvolvimento Social.
Bombeiros de Brasília estão sendo acionados para controlar os ânimos.

Nova mesa
Eleita com 21 votos (votação unânime), a chapa de consenso que vai comandar a Mesa Diretora da Câmara dos Vereadores pelos próximos dois anos é formada por José Carlos Soares (PV), presidente; Fábio Hernandez (PSC), 1º vice-presidente; Pedro Gomes (PSC), 2° vice-presidente; Maura Barroso (Pros), 1ª secretária; e Antonio Pimentel (PDT), 2º secretário, cargo que acumula também a Tesouraria da Casa.   

Composição
Contando os vereadores eleitos, na representação partidária na Câmara o quadro é o seguinte: PDT (3 vereadores); PSC (3); Pros (2); PSDB (2); PEN (2); PMDB, PV, Solidariedade, PRB, PT, PSB, PCdoB, PP e Rede (1 vereador cada).

O PMDB ficou sem representação. Fátima Avelino, único nome eleito pelo partido, assumiu a Secretaria de Ação Social. Em seu lugar, entra o vereador Eudes, suplente pelo PRP.

Novo líder
Adhemar Freitas Jr. é o líder da bancada do PSC na Câmara Municipal. O partido elegeu três vereadores.
Foi ele quem encaminhou o voto da bancada na votação da nova mesa diretora.  

Teste
Chiquinho França será sabatinado nesta quarta, 4, em sessão extraordinária na Câmara. É indicado como o novo gestor da Fundação Cultural de Imperatriz (FCI).

Vexame
O ex-prefeito José de Ribamar Fiquene (mandato de 1983 a 1988) deve ter cantado suas dores, poeta e compositor que era. Na cerimônia de posse do prefeito eleito Assis Ramos, maioria dos protagonistas e assistência ficou muda durante a execução do hino de Imperatriz, incluindo o próprio novo gestor. Uma gafe sem tamanho.
Mestre Fiquene (1930/2011) é autor da letra e da melodia do hino. Completaria 86 anos no último dia 27 de dezembro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

EXCLUSIVO Márlon Reis diz que Senado é “opção possível”

Márlon Reis, ex-juiz, um dos criadores da Lei da Ficha Limpa (Foto: Carlos Gaby) Em entrevista exclusiva ao blogue, o advogado e ex...