A IMPROBABILIDADE DE EDUARDO CAMPOS SE APROXIMAR DE AÉCIO NEVES!


1. Os elogios mútuos entre Aécio e Campos fazem parte da teoria de ballotage (eleições majoritárias com segundo turno). Os concorrentes devem focalizar quem acham que vão enfrentar no segundo turno e suavizar com os demais, de forma a contar com esses eleitores no segundo turno.  Mas o problema está quando os votos dos candidatos que disputam a segunda vaga não têm espalhamento. Isso termina cristalizando os votos de cada qual em suas regiões.
            
2. Comecemos pelos Sudeste, que tem 43% dos eleitores. Aécio certamente sairá de Minas Gerais com uma votação que fará lembrar Brizola em 1989 no Rio e Rio Grande do Sul. Em S. Paulo, pela polarização PSDB x PT, não haverá espaço para o crescimento de Eduardo Campos. No Rio há um vetor para o crescimento de Campos, mas esse depende inteiramente de Marina Silva. Se ela tivesse transferido o título para o Rio, seria favorita. E não se vê quem queira sacrificar seu mandato para ser o governador de Campos no Rio.
           
3. O perfil de Marina não sugere que ela vá jogar sua imagem numa candidatura perdedora. Se isso não ocorrer e ela ficar tocando realejo durante as eleições (expressão usada por Brizola para quem não se envolve), a polarização se dará entre Dilma e Aécio. Ela entre os de renda e nível de instrução menores e ele o contrário.
            
4. No Nordeste, onde Campos tem sua base maior, assim mesmo ela só tem concentração significativa em Pernambuco.  É no Nordeste onde Dilma tem os melhores índices lastreados por Lula que, com certeza, estará peregrinando pela região na campanha. Campos vence Dilma em Pernambuco, mas perde para Lula. No Centro-Oeste a presença de Marina dificultará a atratividade de Campos. No Norte, da mesma maneira.
            
5. Finalmente, no Sul, Campos não tem superfície de contato (expressão usada por Getúlio Vargas para candidaturas sem base regional ou setorial). No Paraná a polarização será entre PSDB e PT/PMDB. No Rio Grande do Sul entre PT e PP, que terminará atraindo os eleitores anti-PT para o voto útil.
            
6. E é esse voto útil (trocar de candidato por achar que seu candidato não tem chance) que, nas condições atuais, tende a emagrecer ainda mais a candidatura Campos, com o início da campanha. Ocorrendo isso, Marina preservará a sua imagem e não assumirá o carimbo de perdedora. Com seu staff não faltarão temas para ela fazer esse descolamento explícito.
            
7. Um voto útil em relação a Campos só desaguará parcialmente em Aécio, o que aumenta a necessidade que surjam dois candidatos –um pela esquerda e outro pela direita- para criar um ambiente de segundo turno.
            
8. Segundo o Ibope, Dilma se encontra no patamar de votos (incluindo brancos e nulos) que obtiveram Lula, Lula e ela nas três presidenciais: 43%. Aécio tem 14%. Campos 7%. Campos emagreceu um pouco entre as duas últimas pesquisas do Ibope, num sinal que o impacto Marina se diluiu muito cedo e não surgiu nenhum vetor multiplicador.
            
9. Bem, essa é uma projeção de cenários em base às condições deste final de 2013. Mas num ano de Carnaval retardado para março, de Copa do Mundo, de expectativas que as ruas voltem a ser ocupadas..., construir fatos novos para quem precisa deles não será tarefa fácil.

Em Ex-Blog do César Maia
http://emkt.frontcrm.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CASO NENZIN - Roseana e Sarney Filho se calam após a prisão de Júnior

Roseana faz campanha para Júnior (camisa e boné verde); ele, segundo a Polícia, é o mandante da morte do próprio pai, o ex-prefeito Nenzin...