Madeira rouba a cena no PMDB



“O prefeito não tem partido”, declarou o prefeito Sebastião Madeira ao comentar sobre sua participação no encontro regional do PMDB, na manhã do último sábado, 19, no auditório do Centro de Convenções.

Madeira acompanhava o ministro Edison Lobão (Minas e Energia), o senador João Alberto, presidente licenciado do PMDB estadual, e o deputado federal Chiquinho Escórcio, seu novo xodó político. Antes de prestigiarem o encontro, estiveram em evento na sede da APAE.

O prefeito disse que sentiu certo constrangimento em alguns peemedebistas, especialmente dos ligados ao grupo do ex-prefeito Ildon, mas observou que sua presença era parte das relações institucionais que mantém com a sociedade e os partidos políticos.

“Precisamos de partidos fortes, para fortalecer ainda mais a democracia”, afirmou o prefeito.

“Estava acompanhando duas figuras importantes do cenário político nacional, o Lobão e o João Alberto, dois nomes que fortalecem o PMDB”, acrescentou.

Convidado, Madeira falou rapidamente no encontro. Sua fala foi bem recebida pelos presentes, e ele saiu do local radiante.

Logo depois, em contato com o blogue, por telefone, Madeira confessou: “Ninguém sabe o amanhã, quem sabe? Política é assim”. É a deixa de que estaria muito feliz se, para selar de vez sua aliança com o governo do estado, tivesse o apoio do PMDB.

Improvável?! Tem coelho nesse mato.

Reforma – Madeira confirmou também que enviará projeto da reforma administrativa à Câmara de Vereadores antes do recesso parlamentar de final de ano. A principal novidade: desmembramento da Secretaria de Esporte e Juventude em duas (Esporte e Juventude) para acomodar o PP no governo. Neto da Ampere deve assumir o Esporte.

Sobre a troca de nomes no secretariado, o prefeito saiu pela tangente. Disse que, pelo menos agora, não cogita mudanças de nomes, mas é certo que pedirá os cargos daqueles que pretendem candidatar-se em 2012.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clã Sarney e o ‘Bloco Sanatório Geral’

Os temas se cruzam com extrema coincidência que pensamos (ou temos certeza) que ainda estamos no auge do coronelismo político no Maranhão...