A nova geração de políticos e a “Cultura F5″



Robert Lobato

Virou comum aqui no Maranhão, o discurso de que deve haver uma espécie de choque de geração na política do estado.

Os ex-deputados federais Roberto Rocha (PSB) e Flávio Dino (PC do B) são os políticos que mais evocam esse discurso, até por motivos óbvios, já que são representantes de uma geração que substituirá a atual, marcada por personalidades como João Castelo, Cafeteira, Lobão, Roseana Sarney etc.

Antes de qualquer dúvida que possa pairar, sou daqueles que concordam com o poeta: “o novo sempre vem”. Contudo, o discurso de quem chega (novo) não pode excluir o de quem sai (velho) de forma, digamos,  mecânica. Esse processo é dialético.

Não é por acaso que cresce vertiginosamente no Brasil o número de empresas que abrem vagas para a chamada terceira idade, o que mostra que a iniciativa privada está de olho no potencial dos caras de cabelos brancos.

Ao invés de limitarmos o discurso meramente em termos de substituição de uma geração por outra, penso que devemos falar em relação “intergeracional”, onde o “novo” interage, se relaciona com o “velho”. Daí surgem algumas questões importantes. Assim:

Relação intergeracional

As gerações novas e antigas devem interagir entre si, onde o mais novos oferecem o vigor da juventude, a rebeldia, a inquietação, a motivação para a mudança; e os mais velhos contribuem pelo acúmulo da experiência, pelo equilíbrio na hora de decidir e a cautela ao agir.

Ao contrário de substituir uma por outra simplesmente, em verdade as gerações devem somar-se numa dimensão holística, de troca de cultura e de conhecimento, a necessária relação dialética entre a ousadia do jovem e a prudência dos mais velhos.

Nesse sentido, o discurso da mudança da “velha geração” pela “nova geração” pode até ser eleitoralmente correta, mas não o é do ponto de vista político, e dependendo da forma e da intensidade de como é defendida, pode ser até reacionária.

Cultura F5

Denomino de “Cultura F5″, um conjunto de habilidades que um gestor tem de perceber que a gestão deve está sempre em processo de atualização. Gestor que não tem a capacidade de atualizar-se de fato não merece ser, sequer, chamado de gestor. É, no máximo, um chefe que possui autoridade administrativa porque “manda”, porque tem, entre outras coisas, a atribuição de demitir, por exemplo.

Isso nada tem a ver com “geração”, mas com uma cultura que está impregnada na nossa sociedade como um todo e, em particular, na maranhense.

Tem muita gente “nova” por aí que é intolerante, que tem dificuldade de aceitar críticas, que é centralizador, que não é proativo, que pensa, pensa e não age, enfim, que tem discurso moderno, mas que na prática faz igualzinho à galera: João Castelo, Cafeteira, Lobão, Roseana Sarney etc.

Possuir uma cultura F5 é uma demonstração não somente de inteligência gerencial, mas passar a ser uma questão de sobrevivência profissional, política e até pessoal. E vale tanto para as novas como para as velhas gerações.

Visite o BLOG do Robert Lobato.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ausência de vereadores: Câmara entra em recesso sem votar Orçamento

Mesa Diretora para o biênio 2019/2020 eleita na sessão desta quinta (14)  A Câmara Municipal de Imperatriz entrou oficialmente em reces...