OPOSIÇÃO: PT vetar coligações foi arrogância e recado para Dilma

A decisão aprovada no 4º Congresso do PT, no último final de semana, de proibir a formação de chapas majoritárias com o PPS, PSDB e DEM, foi criticada pelos presidentes das três legendas de oposição. Para o presidente nacional do DEM, senador José Agripino Maia (RN), a proibição é um recado dos integrantes do PT para a presidente Dilma Rousseff. "Eu acho que eles quiseram, com isso, constranger a presidente Dilma, que dava todos os sinais de aproximação com Fernando Henrique Cardoso, com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, com o PSDB", disse Agripino.

Ainda segundo Agripino, o PT está questionando o poder de liderança da presidente. "Eles fizeram isso com ela presente para dizer 'você aqui não é líder'. Foi um recado", afirmou o presidente do DEM.

Já no PPS, que foi aliado do PT por anos, tendo inclusive participado do início do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a decisão causou irritação. O presidente do partido, deputado Roberto Freire (SP), lembrou que as duas agremiações ainda têm coligações pontuais em alguns municípios. "É um sinal de arrogância equivocado do PT. Em alguns municípios, temos alianças que combatem velhos coronéis oligárquicos e até grileiros", disse Freire.

Ele também considerou que o PT deverá se explicar para a sociedade sobre porque está mudando de lado. "Se o PT prefere fazer alianças com eles coronéis e grileiros e não conosco, eles que se expliquem. O PPS não faz nenhuma opção por essas forças que o PT está fazendo", disse o deputado.

O presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), disse que não entendeu a decisão do PT. "É uma decisão esquizofrênica", afirmou. "Por que tanta conversa para tomar uma decisão? Por que pode a coligação na eleição proporcional para vereadores e deputados e não pode na majoritária prefeitos, governadores, senadores e presidente?", disse.

Guerra ressaltou ainda que o PSDB não tem intenção de fazer coligação com o partido da presidente da República. "Nós queremos é combatê-lo", afirmou. O presidente do PSDB não soube informar se existe alguma coligação entre os dois partidos em municípios.

Já o líder do governo na Câmara dos Deputados, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), defendeu o partido e disse que não há mudanças na postura do partido. "Eu acho que a nova política de alianças é um fato adiante na formulação do nosso partido. Primeiro porque já estamos governando o País há nove anos e estamos praticando uma política de alianças no governo. É natural que essa política de alianças se reproduza no Parlamento e no processo eleitoral", disse.

Para Vaccarezza, o partido foi coerente com seu posicionamento ideológico e com as alianças que têm firmado para dar sustentação ao governo da presidente Dilma. "Se você faz uma aliança para governar, é porque você pode fazer uma aliança para ganhar o governo. A política anterior do PT, que já era ampla, falava de uma aliança de centro-esquerda, com prioridade para os partidos de esquerda. Hoje, nós falamos de uma política de centro-esquerda que envolve todos os partidos da base de sustentação do governo da presidenta Dilma", disse.

Nesse fim de semana, 1.350 delegados do PT, que representam todos os filiados do partido, reuniram-se em Brasília para deliberar sobre a reforma estatutária e divulgar uma resolução política. Junto com as mudanças no estatuto, eles incluíram o dispositivo que proíbe aos diretórios de todo o País que façam coligações com os três partidos de oposição nas eleições majoritárias.

Com informações do Portal Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

EXCLUSIVO Márlon Reis diz que Senado é “opção possível”

Márlon Reis, ex-juiz, um dos criadores da Lei da Ficha Limpa (Foto: Carlos Gaby) Em entrevista exclusiva ao blogue, o advogado e ex...