Taxistas protestam contra Madeira

Manifestantes improvisam cozinha em frente à Prefeitura
Taxistas fecharam o trânsito por cerca de 5 horas

Às 14h45 – Cerca de cem taxistas estão acampados em frente à sede da Prefeitura, na rua Rui Barbosa, no Centro, em protesto contra a apreensão de cerca de 25 taxis pela Secretaria de Trânsito do Município (Setran), dentro da operação deflagrada para combater o serviço de taxi-lotação. Os manifestantes prometem manter o movimento até que a Sutran determine a liberação dos veículos e o prefeito Sebastião Madeira receba uma comissão da categoria para negociar o impasse.

O movimento começou às 8 horas da manhã. Durante cinco horas, os taxistas interditaram o trânsito no quarteirão e montaram duas barracas em frente ao prédio da Prefeitura, onde improvisaram uma cozinha comunitária.

No final da manhã, policiais militares em cinco viaturas chegaram para desobstruir a rua. Os taxistas se recusaram a retirar os veículos do local. Com o fracasso da negociação, a PM passou a multar os taxis, o que causou um clima de tensão.

Somente mais de uma hora depois, com a intermediação do procurador do Município, Daniel Souza, os manifestantes resolveram abrir a rua para o trânsito de veículos, mas permanecem no local, de onde, segundo garantem, só saem depois de uma reunião com o prefeito Madeira.

Os manifestantes reivindicam basicamente a liberação dos taxis apreendidos e a elaboração de um projeto do Executivo municipal regularizando o serviço de taxi-lotação. Eles acusam ainda o secretário de Trânsito, J. Ribamar, de perseguir os profissionais que fazem esse tipo de serviço, principalmente nos bairros.

O taxi-lotação é considerado ilegal e a apreensão dos veículos foi determinada pela Justiça. Todos os taxistas que fazem o serviço têm alvarás expedidos pela Prefeitura.

Os manifestantes acusam o prefeito Madeira de não honrar um compromisso de campanha. Segundo eles, “o prefeito não tem palavra”. Numa ironia às promessas do prefeito, tocaram num carro de som o jingle de campanha de Madeira, cuja letra diz que o então candidato iria mudar a cidade. “Mudou, mas pra pior”, protestou um taxista.

Os manifestantes dizem também que os profissionais que tiveram seus taxis apreendidos estão “passando necessidades”. “O prefeito está tirando o ganha pão de pais de famílias, de trabalhadores honestos, que agora estão quase passando fome, sem dinheiro para alimentar seus filhos, sua família”, acusou Bebé, um dos líderes da manifestação.

Na sessão da manhã desta terça-feira (18) da Câmara de Vereadores, o líder do Governo, Joel Costa, que é abertamente contra a atividade, afirmou que o “taxi-lotação é uma ilegalidade, é um crime”, e que o secretário J. Ribamar está apenas cumprindo uma determinação judicial. Joel reconheceu, no entanto, que o governo municipal está demorando a tomar uma atitude política para resolver o impasse.

O vereador Chiquim da Diferro, que apóia o movimento dos taxistas, acusou J. Ribamar de perseguição. “Isso tudo que está acontecendo é uma atitude pessoal dele, é uma questão de honra do J. Ribamar acabar com o taxi-lotação”, disse o vereador na tribuna da Câmara.

Fotos: Pinheiro/Facebook

Um comentário:

  1. cara muito interessante o teu blog, gostei da notícia posso pedir para vc ficar fazendo a cobertura desse episódio q não tem hora pra acabar, e chamem os outros blogueiros para ajudar nesta luta, fico grato.

    ResponderExcluir

CONCURSO: 100 mil disputam vagas na PM/MA

Cerca de 100 mil candidatos disputam 1.214 vagas nas carreiras de soldado e tenente, com exigência de níveis médio e superior, no concurs...